Reconhecimento de diploma – Fisioterapia (parte 3)

diploma

Até parece que essa série não acaba nunca, mas acredite após ter aprovação do conselho via um dos passos (I ou II) já apresentados neste blog e possíveis para validar sua profissão de fisioterapeuta na Austrália você ainda precisará validar o seu registro na AHPRA (Regulating Australia´s helth practitioners in partnership with the National Boards) Continuar lendo “Reconhecimento de diploma – Fisioterapia (parte 3)”

Skilled Visa – Fisioterapia (parte 2)

fisio

Como disse no post anterior, o “equivalence of qualification pathway” não é o único modo de se conseguir a equivalência do diploma de fisioterapia, outro meio é o “standard assessment pathway” Continuar lendo “Skilled Visa – Fisioterapia (parte 2)”

Skilled Visa – Fisioterapia (parte 1)

fisio

Seguindo no meu processo e busca pelo meu lugar na terra dos cangurus… Depois de uma série de pesquisas achamos o que pensávamos ser o nosso caminho… Conseguir um visto permanente através da profissão do Lucas, fisioterapia.

Pensamos inicialmente que o processo era simples, enviaríamos os documentos, o diploma seria validado e em pouco tempo teríamos nosso visto permanente… Continuar lendo “Skilled Visa – Fisioterapia (parte 1)”

Agência de imigração

lets-go-to-australia

Se a sua ideia é imigrar para Austrália um bom começo é consultar um agente de imigração para saber quais as suas reais condições de ter sucesso na empreitada… O agente de imigração irá fazer uma avaliação inicial, normalmente a partir de um formulário que você preencherá com Continuar lendo “Agência de imigração”

Eu e o inglês…

metodos-de-estudo-07-dicas-para-aprender-ingles-de-uma-forma-eficiente

Fazendo um parênteses na história do processo, mas não saindo do foco, vou contar aqui um pouco sobre o inglês e eu, sobre o inglês na minha vida, sobre minha negação ao inglês…

Assim que a decisão de ir para a Austrália foi tomada busquei algumas referências, pessoas que estavam no país e davam dicas, a posição era unânime Continuar lendo “Eu e o inglês…”